Semana passada, fim de semestre, encurtada por tantas provas e trabalhos, eu e a @patty_suzuki resolvemos “amalucar” ainda mais a semana. Tivemos na @EsamcSoro, um desafio promovido pela URBES Sorocaba, que cuida do sistema de transportes e trânsito em Sorocaba, que consistia em elaborar um plano de ação e comunicação para resolver um problema comum em todo o país: o uso indevido de vagas especiais. Sim, vagas para deficientes e idosos, onde quase todos os carros que estacionam,  a usam de modo indevido.

Descobrimos através de um livro, “A cabeça do brasileiro“, do sociólogo Alberto Carlos Almeida, ed. Record, que a maioria dos brasileiros já está acostumado a colocar seus interesses a frente de tudo. Ou seja, se a vaga está ali dando sopa, pode ser usada. Segundo Alberto, um costume desse só pode ser mudado através de protestos.

A multa é muito baixa. Então queríamos  uma ação que mexesse com “a moral”. Se o cara não é idoso, deficiente ou tem algum tipo de dificuldade de deslocamento (obesidade, por exemplo) ele não pode usar essa vaga. Porém, o que pouca gente sabe  é que essas vagas também exigem que os beneficiados estejam regularizados. É necessário um cartão que é colocado no painel do carro e fica à amostra pelo parabrisas.

O desafio foi dividido em duas fases. Na primeira, tínhamos duas horas para descrever nossas ações e desenhar nossa comunicação (liretalmente desenhar, a base de papel e caneta). Eram 25 grupos disputando um MBA de R$ 12.000,00. Depois de muita discussão e a inclusão de um terceiro membro, o Carlos Eduardo Jr., nosso consultor jurídico, conseguimos finalizar nossa ideia no último segundo do desafio.

Depois continuo a contar, o que veio a seguir, pois conseguimos passar para a fase final e tivemos uma semana para elaborar tudo mais detalhadamente, coisa que comento a respeito em meu próximo post, ilustrando todas as nossas ações e maluquices, que nos renderam o primeiro lugar e o MBA como prêmio!